sábado, 19 de junho de 2010

o poder da justiça.

Numa quarta feira, como uma boa estudante, eu pego meus livros e começo a estudar para uma prova de literatura que aconteceria no dia seguinte. Estudei aproximadamente três horas, porque logicamente eu queria me sair melhor no segundo bimestre e pelo menos tentar consertar as minhas notas terríveis do primeiro bimestre.Cheguei ao ponto de minha mãe mandar eu parar de estudar, ouvindo aquilo, uma mãe mandar sua própria filha parar de estudar porque já estava bom, eu achei que eu tinha estudado o necessário para tirar uma boa nota. Acordei no outro dia, e na escola fiquei sabendo que a outra turma iria ter a mesma prova primeiro que a  minha turma, o espírito da malandragem de aluno tomou conta de todos da minha sala, então todos, sem exceção  , na hora do recreio foram pegar as perguntas que iriam cair na prova, com as pessoas da outra sala, era uma loucura de gente pra lá e pra cá falando da prova, e todos estavam crentes que iriam tirar dez, afinal, todos sabíamos as respostas exatas da prova e não teríamos dificuldade em fazê-la. Finalmente chegou a aula do professor de literatura, e todos estavam preparados, ele demorou mais do que de costume para chegar na sala, mas ninguém estranhou, afinal nada poderia tirar a felicidade da turma naquele hora.Então, foi naquele momento que o inesperado aconteceu, aquilo não estava de forma nenhuma nos nossos planos e como um peso muito grande caindo sobre cabeça de toda a turma, recebemos a notícia de que o professor tinha descoberto que nós os vilões da história, que aparentemente éramos alunos indefesos, tínhamos o apunhalado pelas costas; e agora ele faria uma prova totalmente escrita, sem nenhuma questão de múltipla escolha. É, aquele era o fim do nosso sonho de tirar dez em literatura, todos estavam arrasados, deprimidos, e não havia nada que poderíamos fazer, mas uma coisa era certa: havia um traidor na sala, e essa era a única explicação para nosso plano chegar aos ouvidos do professor.Ele demorou um bom tempo para ditar as questões para os alunos, e não tínhamos mais tanto tempo pra fazer a prova, eu comecei a reclamar imediatamente, que com certeza foi o resultado do pânico e de ver aquelas dez questões, todas dissertativas, e no máximo meia hora pra fazer. Eu sabia as respostas, só não me conformava com o tempo que nós tínhamos pra fazê-las enquanto as outras salas tiveram cinquenta minutos e sete ou oito questões de múltipla escolha.Esse fatalmente foi um ponto que fez com que o meu professor criasse um pequeno ódio da minha pessoa, e esse ódio aumentou no outro dia quando eu recebi a minha prova e vi uma grande injustiça, a questão dizia : "Explique o que é cultismo e conceptismo." .Eu expliquei, e a questão estava meio certa ? havia alguma coisa errada na correção.Perguntei calmamente para o professor porque é que a questão estava errada, e ele disse que era porque eu não tinha colocado os principais autores dos malditos cultismo e conceptismo, e fez uma cara irônica que com certeza me irritou. Falei pra ele que se ele quisesse que nós colocássemos os principais autores a pergunta , a pergunta dveria ser : "Explique o que é cultismo e conceptismo, e seus principais autores." Ele fez um sorriso falso pra mim, e depois insinuou que eu e a @taynaraperez tínhamos colado na prova, sem nenhuma prova disso, e que com certeza era mentira, porque nossas provas estavam totalmente diferentes. Durante toda a correção oral que ele fez da prova ficou falando coisas intencionadas para mim e para minha amiga e sempre olhando para nossa cara , porém falando com a sala toda. Muitas pessoas estavam revoltadas porque tinham supostamente "errado" a mesma questão que eu; nessa hora eu e minha amiga já estávamos decididas a fazer uma reclamação para coordenadora , quando o professor nos chamou para ter uma conversa no pátio. Eu disse tudo o que pensava e reclamei das atitudes dele,ele disse que nunca precisou conversar assim com alunos, estava decepcionado, e que nós fomos agressivas com ele; no final , não reconheceu que estava errado, mas mesmo assim devolveu o meio ponto que era de todos da sala por direito. Infelizmente acho que ficarei com nota zero de comportamento porque ele não gosta de  mim, mas pelo menos fiz justiça e recuperei meu meio ponto que no final das contas faz muita diferença.

- Essa história é baseada totalmente em fatos reais.kk mesmo.

8 comentários:

  1. Nossa que injustiça você ir com zero de comportamento por fazer justiça!

    ResponderExcluir
  2. então né, mas eu ACHO que isso vai acabar acontecendo mesmo.

    ResponderExcluir
  3. OAIOEIOEIOIEOEIOI' odeio injustiça com nós alunos :@
    sim foi muito tenso tudo haha (:

    ResponderExcluir
  4. eu acho qe o título deveria ser: TUDO POR MEIO PONTO.
    kkkkkkkkkkkkkk
    Legal, legal.

    ResponderExcluir